sexta-feira, 8 de junho de 2007

Poesia: Carlos Drummond de Andrade

Um curto poema de Drummond. Primeiro o poema, depois um breve comentário.

POESIA

Gastei uma hora pensando um verso
que a pena não quer escrever.
No entanto ele está cá dentro
inquieto, vivo.
Ele está cá dentro
e não quer sair.
Mas a poesia deste momento
inunda minha vida inteira
.

(Sentimento do Mundo. 7a. ed. Rio de Janeiro : Record, 1999, p. 47)

Há momentos em que a poesia silenciosa, a alegria transbordante, de um simples e banal momento, de um telefonema feliz depois de ganhar um presente inundam a vida inteira. Momentos que se congelam na memória para a posteridade, para na companhia de uma noite de lua cheia, ou ao som de uma canção que mexe com a alma, sorrir e relembrar....relembrar e sorrir...levitar na solidão que não é solidão, é companhia distante, é companhia silenciosa, é sussurro que faz a vida valer a pena.

4 comentários:

Fabiola disse...

lindo CDA

Edna Federico disse...

Drummond é um dos meu poetas preferidos.
É muito bom ter lembranças, é assim que cosntruímos nossa história.

Fernanda disse...

Alguns momentos ficam gravados na nossa vida, como ferro em brasa na pele.
Tenho muitos, muitos momentos bons e lembranças que levarei comigo para o resto da minha vida...essa é minha maior herança!

Raquel Jobim disse...

Lindo demais o teu comentário sobre o poema...
Descreveu exatamente o que eu senti quando o lí pela primeira vez!
Beijo!