segunda-feira, 18 de junho de 2007

Outsider no São Paulo Fashion Week





Fui ao São Paulo Fashion Week na tarde de ontem. Um novato, mas curioso, fui ver pessoalmente o que este evento tem de tão especial. Não fui de bicão, pois tinha convites para o desfile do português Miguel Vieira (fotos que ilustram o post). Confesso que não me senti um estranho fora do ninho, mas a muvuca e os tipos que circulam é bem divertido.

Seguindo o conselho de frequentadoras do evento, fui de táxi até o prédio da Bienal, no Parque do Ibirapuera. Bem tranquilo de chegar, já que o desfile era às 16:30, ou seja, o segundo desfile do dia. A Bienal ainda estava meio vazia e circulei pelo prédio, tomei um café. Não me aventurei nos lounges, salas de diversos patrocinadores e revistas de moda espalhados pelos 2 pavimentos da Bienal. Todos tinham seguranças na porta e não estava disposto a ter que me explicar para segurança para conseguir dar uma olhadinha.

A Natura montou um redário no primeiro pavimento. Bem, o que é um redário? Um local onde foram penduradas redes para descanso e a empresa aproveitou para divulgar seus produtos ecologicamente corretos. Aí eu aproveitei: estiquei-me numa rede e fiquei folheando o jornal do SPFW com informações sobre o evento.

Hora do desfile, dirijo-me à Sala 1, no térreo. Pequena fila para entrar, mas tudo muito bem organizado, lugares marcados na sala de desfile, um monte de fotógrafos quando chega algum famoso, mas tudo tranquilo. 35 minutos de atraso e o desfile começa. Ritmo alucinante. Modelos (homens e mulheres) entram na passarela rapidamente, chegando a ter 3 modelos ao mesmo tempo na passarela. Quanto tempo dura um desfile? 10 a 15 minutos. Isto mesmo, só isso. No final, o estilista entra e todos aplaudem.

Na minha opinião de outsider, ou não-fashionista, para usar o jargão do mundinho, achei o desfile morno, sem empolgação. Tudo em branco, preto e prateado. Monocromático, mas chique. E minha análise se esgota aqui. Li os comentários dos desfiles no site da Gloria Calil e tem que ser muito entendido para escrever sobre o assunto, então não me aventuro.

Achei divertido e algo diferente. Para quem assistiu ao filme O Diabo Veste Prada, há uma cena em que Meryl Streep explica a importância da indústria da moda e dos desfiles. Trata-se de antecipar tendências, de perceber o que estará nas vitrines e no vestuário das pessoas nos próximos meses. E antecipar tendências e movimentos faz parte da vida das pessoas. Este é o ponto que talvez mais me interessou ao ir ver um desfile: tentar perceber tendências, ver coisas novas e abrir a cabeça um pouco.

Sou curioso e, ainda que desconfiado de inovações muito revolucionárias, gosto de estar bem informado. Afinal, este blog procura olhar para a frente e não para trás.

2 comentários:

Fernanda disse...

A maior parte das peças mostradas nos desfiles, é só pra dar um idéia ao público de até onde o estilista pode chegar e tb tendências de moda. A maioria é de uso inviável, rs.
E se vc achou muvuca, precisa ver como é nos bastidores....MUVUCA TOTAL!!!!!
Mas, é bem legal de assistir, apesar que se espera um tempão pra ver 15 ou 20 minutos de desfile...é assim mesmo.

Fabiola disse...

chique vc hein?