segunda-feira, 7 de maio de 2007

Trilha sonora e MP3

Sempre fui muito ligado à música, não como músico, mas como ouvinte. A música reaviva lembranças, serve de fundo para devaneios e lembranças, compartilha momentos felizes e tristes.

Minha vida tem trilha sonora. Basta ouvir uma canção que sou transportado no tempo e no espaço. Mas estava há um bom tempo sem renovar minha trilha sonora, que parecia uma coleção empoeirada. Então, com um empurrãozinho e ótimas dicas, aventurei-me pelo mundo da música em MP3. Comprei um Ipod, baixei o itunes (programa da Apple para organizar as músicas e copiá-las dos CDs para o computador) e emule (programa para baixar músicas da internet).

Descobri Jamie Cullum, Keane, Lifehouse, Coldplay, Mary J. Blige, Maná e outros cantores que nunca tinha ouvido falar. Meu playlist meio antiquado foi renovado e ganhou variedade e atualidade. Tive uma excelente consultora para me mostrar as novidades e que sempre me apresenta coisas novas. E eu adoro uma novidade musical.

Meu gosto musical é eclético e tenho no meu Ipod um pouco de tudo, inclusive funk! Apesar de alguns se surpreenderem, ouço funk no Ipod. Gosto da variedade e de poder apreciar um pouco de tudo, no que se refere à música.

O caderno Link do Estadão desta 2a feira trouxe uma reportagem sobre MP3 e as novas formas de encarar a música nesta era. Hoje não há necessidade de se comprar um CD, basta você escolher as músicas e fazer o download via algum programa específico. Ou então, pode-se comprá-las em alguns sites. Acho que o preço ainda é salgado e acho também que o download via emule não fere a legislação brasileira de direito autoral. Em outras palavras, o download via emule é equivalente ao que fazíamos com as fitas cassete ao gravar uma música do rádio para uso pessoal. A reprodução para uso pessoal não fere a legislação. O que viola o direito autoral é a gravação de música para posterior revenda, ou seja, o ato de comercializar a música. E isto não ocorre com o emule.

Mas voltemos ao assunto. Recentemente, minha consultora recomendou o site da OI FM. Além da excelente seleção musical e de poucos comerciais, a rádio que está disponível para ser ouvida pela internet indica na tela o que foi tocado e o que está tocando. Aparece num quadro o nome do artista, da música e um link para você baixar o ringtone ou comprar o CD (o link leva o internauta ao site buscapé).

Trata-se de uma interessante forma de convergência, pois une-se música e informção sobre a música, facilitando para o internauta o download da música para o seu computador. Eu tinha uma tremenda dificuldade para guardar os nomes das músicas que queria baixar. Agora ficou mais fácil.

4 comentários:

Fernanda disse...

Afff, não tô conseguindo acompanhar esse blog, vc anda muito inspirado! riso
Fiquei uns dias sem aparecer e tem vários posts pra ler, que bom!
Engraçado, eu vivo falando isso, que minha vida tem trilha sonora. Tenho músicas, lembro das músicas pra vários tipos de situação que já marcaram minha vida: meu primeiro beijo, minha primeira vez, meu amor, meu casamento...qdo meu filho nasceu, fiz questão de escolher a música para tocar na hora do parto.
Tem músicas que lembram amigos, lugares, viagens, infância, enfim...eu sou um Ipod! riso
Pena que sou muito relaxada...um amigo vive me falando pra colocar o bendito programa de música no computador e até agora nem me movimentei.
Um dia chego lá...

vento sem direção disse...

ah, quem não gosta de música, não é?! eu tenho uma pra cada dia, cada estado de espírito.
olha, realmente, funk devo dizer que me surpreendeu.
MP3 é tudo. Só estou tentando descobrir o que fazer com meus CDs que só ocupam espaço.

Edna Federico disse...

Cara, também adoro música e assim como você, sou eclética.
Conheço e tenho Cds de alguns que você citou: Jamie Cullum, Mary J. Blige...Norah Jones
Mas, também gosto dos antigos: George Benson, Scorpions, Bee Gees, Phill Collins e claro, música brasileira...tem muita coisa boa: Ana Carolina, Vânia Abreu, enfim...poderia ficar horas aqui digitando.
Acho que podemos trocar figurinhas, ou talvez você possa me indicar sua consultora, riso.

vento sem direção disse...

então, depois fiquei pensando no que você falou sobre "playlist antiquado" e acho que não é bem assim. Sabe, o legal da música é que atemporal. Nossa, eu amo músicas "velhas", mas isso não me impede de amar músicas atuais.