domingo, 27 de maio de 2007

Túnel do Tempo

Depois de uma semana de preguiça ao deixar de lado minha caminhada na esteira e de um sutil puxão de orelha, neste final de semana voltei à rotina do meu exercício. E vou criar coragem para levantar cedo ao menos 1 dia durante a semana...mesmo com o frio.

Não sou muito fã de ginástica e de exercício, se bem que ganhei gosto pela caminhada, algo que tenho feito desde setembro do ano passado. Meu iPod é um dos responsáveis por esta perseverança. Esportes coletivos não são meu forte, pois sou um péssimo jogador de futebol e por isto sempre preferi os esportes individuais. Treinei natação de forma séria na adolescência e agora voltei com a caminhada. Faz bem ao coração e fujo do sedentarismo. Bom, mas o que o título deste post tem a ver com isto? Calma, eu chego lá.

Tanto ontem, como hoje, fui caminhar no final da tarde. Céu ainda azul, mas o sol ia se pondo. Música ligada, cenário de entardecer e eu entro em transe. Viajo naqueles 40 a 50 minutos que são só meus. Momentos para pensar, ouvir música, escrever alguns textos mentalmente....e quantas vezes já não tive idéias e aprontei surpresinhas que surgiram nestes momentos de recolhimento. Ontem, ouvi uma música - a versão que tenho no iPod é da Madonna - que me transportou no tempo.

A música é American Pie e o vídeo, na versão original, está abaixo. Voltei 20 anos no tempo para um período que morei nos Estados Unidos. Esta música me lembrou os bons momentos dirigindo com amigos, deixando o tempo passar preguiçosamente no verão quente sem ter nada com que se preocupar...lembrei da neve e do frio, dos dias gelados e de pouca luz, das descobertas da adolescência, dos "foras" (no plural, pois foram vários) dados por meninas, das conquistas e das tristezas. Foram 4 anos, dos 13 aos 17. Foi uma ótima experiência. Amadureci mais cedo ao ter que enfrentar situações novas e inesperadas.

Nesta viagem no tempo, lembrei-me de um professor de literatura. Mr. William Daly era o nome dele e lecionava um curso de Literatura Ocidental. Isto foi no 2o. colegial, lembrando que nos EUA o ensino médio tem 4 anos de duração. Naquele ano de 1986 aprendi a ler. Descobri a beleza de um romance, a importância de ler e escrever. De forma ainda superficial, própria da idade, mas foi meu primeiro contato com Henry David Thoreau, Robert Frost, Walt Whittman, Shakespeare, Ibsen, Sófocles e Hemingway, para citar alguns. Um novo mundo descortinou-se diante de mim. Atribuo a este professor uma guinada fundamental na minha vida. Até aquele ano queria ser engenheiro, mas foi naquele curso que resolvi seguir a carreira jurídica. Ganhei gosto por ler e escrever.

Tudo isto por causa de uma música. Uma música que marcou minha adolescência. Uma música que marcou aquele período. Há 2 outras músicas que me levam de volta a Midland toda vez que as escuto. Tocaram numa festa de despedida, um dia antes de voltar para o Brasil em janeiro de 1988. As músicas são Don't You Forget About Me (Tears for Fears) e If You Leave (Nada Surf). Esta segunda não ouvia há anos e mal lembrava dela. No ano passado, uma amiga me enviou a música achando que iria gostar. Acertou em cheio!

Deixo-os com American Pie.


4 comentários:

Alice disse...

Nossa, eu tenho um baú musical enoooorme, realmente te levam de volta a todo um contexto da sua vida.... Eu que tenho um pezinho bem fincado na nostalgia, então... ui! Bom, já viu que eu tb virei assídua daqui, né? ;) beijos

Edna Federico disse...

Pois é, tem músicas que marcam mesmo...alguns momentos bons, outros nem tanto.
Esse final de semana também ouvi uma música que me transportou ao passado, num momento não muito feliz, mas hoje consigo encará-lo como uma experiência válida...a vida é assim!
Boa sorte na sua caminhada, riso, ui!

Fabiola disse...

lembrei desta musica...faz temoi hein!!!!

Tb estou sem correr acordar 1 hora antes esta dificil mesmo!!!

Fernanda disse...

Nossa, faz tempo mesmo, hein, riso.
Morar fora é sempre complicado, mas como vc disse, nos faz crescer, amadurecer muito rápido, forçosamente.
Morei fora por um período de 6 meses e foi muito, muito difícil por três motivos: estava sem meus pais, tinha só 18 anos e estava totalmente mergulhada numa desilusão amorosa, fugindo dos problemas e me achando um lixo! riso
Mas, passou...sorriso...e guardo algumas lembranças boas dessa época e fiz amigos muito queridos.