segunda-feira, 30 de abril de 2007

Homens invisíveis


No post "Olhar na cidade grande", comentei de algo acerca da cegueira psicossocial que ouvi num comentário da Barbara Gancia.


Agora preciso complementar a informação. Odeio dar a informação pela metade e principalmente ser injusto com autores. Então aqui vai a correção. O termo é utilizado por Fernando Braga da Costa em seu livro "Homens Invisíveis: Relatos de uma Humilhação Social" (Ed. Globo, 2004).


Há um interessante comentário do livro neste link: http://www.bonde.com.br/canais/canaisd.php?oper=livros&materia_id=15


A obra trata da situação dos garis de São Paulo e foi produzida como um estudo na disciplina de Psicologia Social na USP. Um tema que merece reflexão, ainda mais no dia do trabalho.


Pessoalmente, tenho a seguinte opinião: todo trabalho é digno, desde que realizado honestamente. Por mais de uma vez já brincaram - tentando me provocar - comigo dizendo que minha filha não vai ser advogada. Sinceramente quero que ela escoha a profissão que quiser, que faça o que goste e a faça da melhor maneira possível. Se ela for advogada, vou ficar muito feliz. Mas se ela escolher qualquer outra profissão, vou ficar orgulhoso e contente do mesmo jeito.


Quero apenas - e para isto serve a educação - que ela exerça sua profissão com dignidade e ética, que saiba dar valor às pessoas que a rodeiam, que trate todos de forma humana e educada. E o dinheiro? O dinheiro é consequência. Não adianta ganhar muito dinheiro e ser infeliz no trabalho.

3 comentários:

eu também queria saber disse...

dinheiro x trabalho = eu que o diga

Fernanda disse...

Concordo com vc, toda profissão é digna e merece respeito, se exercida com honestidade e ética.
As pessoas tem costume de desdenhar de profissões, digamos assim, que não é necessário muito estudo. Mas, o que seria de nós sem os garis, os faxineiros, os lixeiros, os atendentes e tantas outras profissões honradas?
Se sua filha resolver seguir sua profissão, ótimo, que ela seja tão boa advogada qto vc deve ser...mas, se ela optar por outra coisa, vc está certo, que ela seja feliz e faça o que escolher muito bem feito!

baheeano disse...

tambem concordo com voces!!Mas no livro entra questoes mais importante do que a dignidade no trabalho!!A INVISIBILIDADE SOCIAL,seria relfexivo se paracemos para pensar,diante da seguinte questao: como um uniforme de gari,faz voce ficar invisivel mesmo no seu ambiente de trabalho,onde as pessoas falam com voce fluentemente e logo a apos so em colocar esse uniforme para que ficou invisivel!!!