quarta-feira, 21 de março de 2007

A vida é feita de escolhas


Vou fazer um post em duas partes hoje. Primeiro, o texto integral de um poema de Robert Frost, poeta norte-americano. O poema chama-se The Road Not Taken (A estrada não escolhida). Nascido em San Francisco a 26 de março de 1874 e falecido em 29 de janeiro de 1963. Seus poemas são bucólicos e retratam a vida no campo e nas montanhas, sempre evocando a natureza. São poemas que usam a natureza como metáfora dos sentimentos e da vida.


The Road Not Taken trata de escolhas. Escolhas que fazemos ao longo de toda nossa vida. Mas o comentário vem a seguir, depois do texto.


THE ROAD NOT TAKEN


"Two roads diverged in a yellow wood,

And sorry I could not travel both

And being one traveler, long I stood

And looked down one as far as I could

To where it bent in the undergrowth;

Then took the other, as just as fair,

And having perhaps the better claim,

Because it was grassy and wanted wear;

Though as for that the passing there

Had worn them really about the same,

And both that morning equally lay

In leaves no step had trodden black.

Oh, I kept the first for another day!

Yet knowing how way leads on to way,

I doubted if I should ever come back.

I shall be telling this with a sigh

Somewhere ages and ages hence:

Two roads diverged in a wood, and I

I took the one less traveled by,

And that has made all the difference."


O viajante depara-se com uma bifurcação na estrada e pausa. Contempla os dois caminhos, um menos gasto que o outro. Hesita e escolhe o caminho menos viajado, menos pisado. Com o passar dos anos, olha para trás e afirma: "escolhi o caminho menos viajado e isto fez toda a diferença."


Sempre gostei deste poema. Sei-o decor e repito-o todas as vezes em que me deparo com uma escolha difícil. Foi assim quando larguei meu emprego de advogado em um banco para abrir escritório. A maioria das pessoas me desencorajou. Tentaram me dissuadir. Segui em frente e se passaram 9 anos. Não me arrependo, mas sei que escolhi o caminho menos viajado, o mais difícil.


A vida é feita de escolhas. Elas se apresentam, quando não diariamente, de forma repetida ao longo da vida. Se estamos vivos, temos que escolher. Falar ou não falar, amar ou não amar, chorar ou rir, acovadar-se ou lutar. A resposta só o tempo nos dá. Não conseguimos controlar o destino e isto nos deixa angustiados, inquietos e ansiosos. Entendo cada dia mais esta angústia que nos afeta no mundo moderno. Talvez seja a maturidade.


As escolhas do passado já foram feitas. O passado não pode ser mudado, como Cícero já havia dito em Roma. Não vou fazer citações em latim aqui, mas a frase continua verdadeira. Só podemos mudar o presente, e isto afetará o futuro. Certezas não há. A vida é cheia de riscos.


Outro dia, um grande amigo que pensa em se casar me perguntou, como se eu fosse um sábio tibetano com todas as respostas: "Como é que eu sei que ela é a mulher da minha vida?". Tive que segurar o riso e lhe disse: "Você não sabe! Não há como ter certeza. Você pode achar isto hoje, mas um certo dia pode cruzar uma outra mulher e ela lhe arrebatar o coração. O mesmo pode acontecer com sua namorada ou futura esposa. Não sabemos. Você tem que escolher e decidir. Mas algumas coisas na vida temos que decidir sem pensar muito, senão o medo nos paralisa."


Engraçado como o incerto nos amedronta. Ficamos inseguros e saímos da zona de conforto. É, bons os tempos em que éramos crianças. Ser adulto é complicado. Mas as alegrias desta aventura chamada vida valem a pena!

4 comentários:

Fernanda disse...

Um dia ouvi uma frase de uma amiga e nunca mais esqueci: "sempre que temos que escolher entre duas coisas, perdemos."
A vida é assim, não podemos ter tudo e na maioria das vezes, nunca vêm de modo fácil.
O caminho pode ser o menos pisado, o menos viajado, mas quase sempre, é aonde encontramos o verdadeiro valor das coisas.
Tb tenho uma amiga que perguntou exatamente a mesma coisa do seu amigo...ou melhor, quase do mesmo jeito...ela me perguntou como eu sabia que tinha feito a escolha certa em relação ao meu marido.
Essa pergunta é muito difícil de responder, muitas vezes nós mesmos nos perguntamos isso.
Concordo com vc qdo diz que hoje podemos achar que é a pessoa da nossa vida e amanhã não mais...é verdade, podemos ao longo do caminho ser arrebatados por uma paixão. Mas, acho tb que lá no fundo, sabemos qdo encontramos a pessoa certa, a pessoa da nossa vida, eu sei que encontrei!
É uma combinação de pele, coração, alma, humor, carinho, compreensão, olhar...a gente sempre sabe. Às vezes essa pessoa chega na hora errada, no momento errado, na vida errada...
A vida é um risco, mas é deliciosa!

Fernanda

rosenibrito disse...

O livre arbitrio e uma fraude. Temos a change de escolher a estrada que queremos seguir, mas nao alcancamos ver alem da curva. Eu acredito que o caminho certo e aquele que escolhi tracar, seja ele qual for. A estrada que escolhi e a que me trouxe onde estou, portanto, e a certa. Como dizem, a vida e uma journey, not a destiny.
Meu nome e Roseni. Sou nascida em Sao Paulo mas vivo em Atlanta nos EUA. Eu acredito que todo mundo se identifica com o poema "The Road Not Taken". Eu, por exemplo, tive que escolher largar minha vida relativamente "estavel" no Brasil pra viver no exterior. Ganhei e perdi com minha escolha. Fiz a escolha certa.

Regina disse...

Adorei seu blog, se me permitir usarei uma frase sua em meu MSN.

Renato Bueloni Ferreira disse...

Regina,

Muito obrigado pela visita e pelo elogio.
Fique à vontade para usar as frases deste blog.

abs
Renato