segunda-feira, 9 de julho de 2007

Prestando Contas

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer os comentários ao último post e as palavras de apoio. Depois de alguns dias no sítio - com sol e céu azul - em razão do feriado estadual em São Paulo, que nos deu um fim de semana de 3 dias, pude refletir um pouco sobre estes meus anos como professor da Unip - Universidade Paulista.

Ingressei na Unip em agosto de 1998. Foram 9 anos lecionando Direito Comercial e Direito Financeiro. Em 9 anos e várias turmas de alunos, fui paraninfo de uma delas e professor homenageado em outra. Em 9 anos, faltei apenas 3 vezes às minhas aulas. Não acho que tenha feito mais do que obrigação e não faço este relato para me gabar.

Dou aulas porque gosto e não pelo salário. Ainda que o papel de professor universitário tenha um quê de egotrip, de vaidade, de palco e palanque, nunca me acostumei em ser chamado de professor. Prefiro que os alunos me chamem pelo meu nome. Nunca tive com isso problemas de autoridade ou de respeito em sala de aula. Sempre consegui me impor e fiz amigos ao longo destes anos. Termino minha jornada com um sentimento de dever cumprido e trabalho bem feito.

O que me entristece é a falta de comprometimento das universidades privadas no Brasil com o ensino e com o crescimento intelectual dos alunos. Talvez eu seja um idealista sonhador, mas vejo que o capital disponível nas universidades privadas poderia ser muito melhor aproveitado. A minha experiência na universidade privada revelou que há consumidores (alunos) em busca de um produto (diploma) e o resto é acessório (professores). Desde que o consumidor pague em dia suas prestações do carnê do baú da felicidade, receberá o diploma no final. Fique tranquilo consumidor, se algum professor tentar barrar o seu caminho, o Diretor da faculdade avoca a revisão da sua nota e você será aprovado.
Não estou rancoroso não. Apenas insisto em lutar por aquilo que acredito e acho que o ensino superior nas universidades privadas têm muito a contribuir para o progresso do país. Pelo menos nas universidades privadas que tenham compromisso social e compromisso com os alunos.

7 comentários:

Edna Federico disse...

Nossa...9 anos lecionando e as pessoas o despedem via telegrama...aonde ficou o respeito e considerãção das pessoas, hein?
Se os próprios contratantes não respeitam mais os professores, que dirá os alunos...
No mínimo é lamentável!
Você tem razão sobre os cursos de faculdade.
Quando prestei vestibular, a gente tinha que ralar muito de estudar para passar, hoje em dia, quem tiver dinheiro entra na faculdade que quiser.

Nilza disse...

Renato , mestre!

Lindo é se entrar num Cyber, por estarmos sem energia elétrica e nos depararmos com tanto carinho...

Não desanime, nenhiuma profissão no Brasil tem sido valorizada. O respeito às pessoas já não existe em nenhum segmneto. Ainda bem que temos nosso mundo mágico para trocarmos essa energia. Obrigada

beijos

Fabiola disse...

Renato

estou pasma!!! entrei hoje no blog e vi isso.
Nem sei o que te dizer, alias sei, FOI SACANAGEM, pq mesmo que vc fosse um B* eles não deveriam fazer isso com vc!
Eu posso te dizer, pa fui sua aluna, vc é um excelentre professor. passei por muitos cursinhos(dentre eles alguns famosos como este que estou hoje), muitas aulas de direito comercial. E quer saber lembro de muitas explicações suas da faculdade.
Fui da sua primeira turma. Lembro da empresa que montamos e de textos que vc passou.
Muitos alunos com certeza não leram ou não montaram a empresa ficticia. Mas eu fiz. e me ajudou muito.
Comece seu novo ciclo. Tente outra faculdade!!!

Coca disse...

Não perca de vista que essa terra atualmente é governada por alguém que precisa de cola para escrever uma frase de 5 palavras. Ou seja, os bons valores de educação , formação e cultura estão à margem do que se valoriza na nossa sociedade atualmente.
As universidades particulares só querem dinheiro mesmo, eu sempre me recusei a dar aulas nessa situação porque não admito passar de ano um imbecil. Porque são esses imbecis formados nesse ensino que vão depois nos atrapalhar o trabalho do lado de cá...

É o reino da ignorância, lamentavelmente. A nós , resta o ciberespaço.

ainda não sei disse...

o que você fez durante estes nove anos, ninguém vai tirar de você, nem dos seus alunos. Eles que perderam, não você.

Fernanda disse...

Concordo com tudo que foi dito aqui.

Catarina disse...

É meu amigo, parece que os problemas se espalham por todo o Brasil.
A Faculdade Amec Trabuco, aqui em Salvador, faz pior: Nunca remunerou nenhum professor desde que abriu... e isso já faz 2,5 anos.
É professor saindo e novos entrando... e todo mundo sendo lesado.