terça-feira, 3 de julho de 2007

Crônica: Foto


Distraído, no meio do dia, sou desperto do meu devaneio ao ver na tela uma foto sua. Há algo de mágico nesta foto que me enviou. Talvez seja o teu sorriso, de lábios elegantemente afastados emoldurando os dentes alvos. Talvez seja o olhar, de brilho de cristal, olhos castanhos que alumiam a noite e refletem um mundo interior. Talvez seja teu rosto, de pele morena, bochechas coradas, pintinha num canto dando um toque de charme.


Talvez seja você e um magnetismo que percebo, um carisma inconfundível, uma magia peculiar e discreta. O sorriso estampado no rosto de uma mulher madura, mas que tem traços de uma menina arteira, de uma criança de espírito, própria das almas leves e encantadoras. Alma complexa que só um bom observador apreende da foto.


Parei alguns segundos, que viraram minutos, hipnotizado a te contemplar. Paralisado num momento atemporal, coração acelerado, flutuando sem sair de minha cadeira. Uma foto pode ser mágica e as tuas sempre são. Pelo menos, para mim.


2 comentários:

Edna Federico disse...

Que bonito isso!
Uma foto pode mexer muito com a gente mesmo, trazer lembranças deliciosas.

Fernanda disse...

Sim, uma foto pode mexer muito com a gente, mas às vezes nem precisa de foto...
Um rosto que fica gravado em nossa memória, ou coração, têm o mesmo efeito.
Adorei essa crônica!!!