sábado, 22 de setembro de 2007

A Casa de Machado


Quase 2 dias no Rio de Janeiro e volto cada vez mais encantado pela cidade. Fui a trabalho, mas como ninguém é de ferro, aproveitei para conhecer um pouco mais do que ela nos oferece.


Ando pelo Centro do Rio sem medo, pois acho-o muito semelhante ao Centro de São Paulo em termos de quantidade de gente que circula. As ruas do Centro do Rio, porém, são mais estreitas e guardam um ar antigo mais presente, pois algumas ainda são de paralelepípedos. Cumprido o dever, caminhei pelas ruas do Centro em direção à Academia Brasileira de Letras.


Não estava nos meus planos passar por lá, mas seja por uma intuição divina ou por um sussurro do pensamento, uma daquelas idéias que surgem aparentemente de forma simples e que depois se revelam geniais, dirigi-me para a Casa de Machado e dos imortais. A ABL foi fundada na tarde de 20 de julho de 1897 e completa este ano 110 anos. Machado de Assis foi seu primeiro presidente.


"Tarde de sol de uma quinta-feira. Subo a velha escada de pedra da Academia e sigo na direção da estátua de Machado de Assis, gosto de ficar olhando para o bruxo sentado com sua bigodeira e o pince-nez ajustado ao nariz forte, a fronte espaçosa e pensativa. Ando um pouco em redor e acabo por me sentar num banco próximo, ainda é cedo para sessão." (Lygia Fagundes Telles. Conspiração de Nuvens. Rio de Janeiro : Rocco, 2007, p. 33).


Talvez tenha sido este trecho de Lygia Fagundes Telles que me guiou até lá, movido pela curiosidade de ver e vivenciar o que ela descreveu em seu novo livro. Fiz o mesmo percurso. Subi as escadas numa quinta-feira, a lua já no céu do entardecer. Encontrei o Petit Trianon iluminado e repleto de imortais e mortais que se acomodavam para ouvir uma conferência sobre fotografia e a forma de olhar o Brasil. Os Acadêmicos acomodados nas cadeiras centrais da bela sala.


Parei diante de Machado de Assis sentado e observei-o por alguns instantes. Final de tarde e sentei-me num dos bancos diante do bruxo, como o fizera a imortal Lygia Fagundes Telles, e fiquei proseando. Ao terminar a conferência, ganhei um tour daquelas belas salas, de arquitetura clássica.


Um final de tarde agradabilíssimo e inesquecível em grande companhia.


* * * * * *


Vale informar que a ABL tem um serviço denominado ABL Responde que esclarece, de forma gratuita, dúvidas sobre ortografia. Tudo funciona por email. Há no site também acesso ao Vocabulário Ortográfico, que funciona para tirar dúvidas de ortografia de última hora e quando não se tem um dicionário à mão.




4 comentários:

Edna Federico disse...

Deve ter sido delicioso e conforme fui lendo, consegui fazer o mesmo trajeto em pensamento.
Não sabia sobre esse serviço da ABL, que ótimo!!!

Coca disse...

Muito bom !!!

Passei por uma experiência semelhante à esta sua: no segundo grau ganhei um concurso literário aqui no estado justamente escrevendo sobre Machado de Assis, mas especificamente sobre o famoso "triângulo" do D. Casmurro: Bentinho, Capitu... well, você sabe a história.

Um dos prêmios do concurso, na época patrocinado pela BLOCH (Revista Manchete), era uma tarde e chá com os membros da Academia. Me lembro de ter passado uma tarde inesquecível por lá, de ter conhecido todo o prédio, de ter batido um longo papo com o Austregésilo... Enfim, coisas estranhas para uma guria de 15, 16 anos , não ?

Devo ter gostado da experiência porque ganhei de novo o prêmio no ano seguinte (desta vez sobre Érico Veríssimo) e voltei. Mas, para minha tristeza, não fomos à ABL...

Kátia Barros disse...

Poxa, vc veio ao Rio e nem me deu um alô!!! bjs

Olá, sou a Evellyn! disse...

Obrigada pela sua visita no meu blog!
Fiquei com mais saudade do Rio de Janeiro ao ler seu texto...