quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Poesia: REAL INTANGÍVEL



REAL INTANGÍVEL


O que sinto não compreendo

Seria dor?

Seria devaneio e ilusão?

Seria real, quando tudo parece intangível?

Sinto minhas entranhas doloridas

Amuado, meu espírito sucumbe

Prostrado no chão o corpo

Olhos fechados para te ver

E sua imagem projetar no sonho

Como posso amar o que não vejo?

Como seguir teus passos

Como beijar tua boca

Como ter-te em meus braços

Distância insuperável

Barreiras intransponíveis

Mas a alma te implora e deseja

O coração te anseia

Só me resta sonhar

E rezar...


(RLBF - nov 2006)

4 comentários:

Fabiola disse...

Queria tanto ter o dom da poesia
invejo quem tem!!!

Coca disse...

É... o jeito é sonhar mesmo!
E toca a sonhar, sonhar , sonhar!

disse...

Uau!!!!!
Quanto sentimento bem descrito...
beijos

Edna Federico disse...

Renato, obrigada.
Nada de ruim comigo...somente uma noite péssima com filho doente e hoje uma notícia da morte de um primo, acidente de carro...aquela tristeza, enfim.
Nem tive ânimo para postar ou comentar nos posts, mas sua poesia é muito linda.
Bom finde pra você também.