quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Poesia: HIPNOSE



HIPNOSE


Eu me perco nos teus olhos

Mar profundo

Sentimento infinito

No escuro dos teus olhos.

Inebriado, enlevado

Hipnotizado pelo encanto

Flutuo ao arrepio da realidade

Salto do corpóreo

E viajo no etéreo onde o tempo

É imóvel.

Paralisado nos teus olhos

Delicio-me com o calor interno

Que brota, que borbulha nas entranhas

Que revolve meu interior.

Perdido nos teus olhos

Nâo quero voltar à realidade

Só quero sonhar

Mergulhado no teu olhar.


(22 outubro 2007)

5 comentários:

Diane Cravo disse...

primeiro: adorei o nome do blog.
segundo: amei o texto!
parabéns!

Fabiola disse...

lindo!!!
tb amei

Coca disse...

É... mas isso tudo me remete à minha questão central: Amor existe mesmo ou é uma bruta de uma idéia fixa?

Edna Federico disse...

Outra bonita poesia, parabéns!

Washington Pires disse...

Também crio poesias e aprovei sua maneira de escrever! Ótimo.