segunda-feira, 21 de julho de 2008

Não por Acaso: excelente filme brasileiro

De uma esquina carioca para uma esquina paulista, da literatura pulo para o cinema, mantendo-me na esquina.
Não por acaso é um filme de Philippe Barcinski, produzido pela O2 Filmes e lançado em 2007. No elenco, Rodrigo Santoro, Letícia Sabatella e Leonardo Medeiros.

Peguei o filme em DVD, há pouco mais de um mês, num daqueles sábados frios. Procurava algo diferente e que instigasse - ou nutrisse - meus pensamentos e meu clima introspectivo daquele dia. O cinema brasileiro tem produzido ótimos filmes nos últimos, talvez com maior destaque para Tropa de Elite. O ritmo e a cadência do long brasileiro é semelhante ao dos filmes europeus. Para alguns, esta cadência é tediosa e monótona, mas para outros reproduz o ritmo da vida - por vezes demasido lento e fora do nosso controle.

O título me fisgou e não me decepcionei com a estória. Por coincidência, ou seria acaso, já havia assistido a um curta do diretor chamado Palíndromo. Durante o filme, que se passa em São Paulo, fui tentando identificar as locações de filmagem. Surpreendi-me quando consegui identificar o local de um apartamento apenas com a tomada da janela, ao fundo de uma das personangens da estória. Interessante como um olhar atento pode revelar a beleza escondida desta paulicéia.

A estória traz Ênio (Lauro Medeiros) como um homem de meia idade, engenheiro de trânsito e funcionário da CET. Um homem sozinho e amargurado, sem grandes perspectivas de vida. Vive para o trabalho. Um trabalho que revela um pouco dos bastidores do complexo trânsito de São Paulo e tem algumas curiosidades surpreendentes. Ênio descobre que tem uma filha e esta, corajosamente, vai em busca do tempo perdido de convivência com o pai.

Pedro (Rodrigo Santoro) tem 30 anos e trabalha fabricando mesas de sinuca, numa fábrica artesanal herdada do pai. Pedro tem uma paixão pelo jogo, mas teme se arriscar e participar de campeonatos. Ele namora Teresa, uma estudante de antropologia, que está mudança para a casa de Pedro.

As duas estórias se cruzam por acaso num cruzamento de São Paulo. Mas não por acaso, as vidas dos personagens são alteradas de forma radical. Pedro em busca da coragem de dar passos novos e Ênio com a descoberta do amor paterno e do carinho incondicional da filha. Pode parecer denso, pesado, mas é um filme com estórias comuns que refletem um pouco em cada um de nós.

3 comentários:

Escrever por escrever disse...

O difícil é esses filmes chegarem às locadoras. Algumas dizem que filme brasileiro é pouco alugado, não dá lucro. Pena...

Edna Federico disse...

Você tem razão, nos últimos anos o cinema brasileiro deu uma alavancada. Ainda acho que temos muito a melhorar e a investir, mas estamos caminhando.
Beijo

Tâmara disse...

As esquinas de Sao paulo são sempre reveladoras....Ah se são!!
Beijos...