quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Poesia: BECO DE LISBOA


BECO DE LISBOA


O sopro leve do instrumento

Toque delicado

Triste acordeon.

Precisão de som

Que brota do violão.

Voz sedutora e sublime

Sotaque lisboeta

Gutural, mas doce.


Tua voz feminina acompanha-me

Inspira-me

Alegra-me

Ou traz a melancolia?

Ambiguidade e indecisão

Arrependimento e desejo.

O homem é um ser paradoxal,

E neste paradoxo cria

Transforma

Destrói

Constrói

E ama.


RLBF – junho 1997

2 comentários:

Tiago Soarez disse...

Inspiração de quem ama, não?

Abraço!

Tâmara disse...

Ah!!...esses becos de Lisba!!!]]]risos...