quarta-feira, 28 de março de 2018

Saudade futura







A saudade lhe pesava como asas de chumbo num passarinho, cravado no chão, tolhido de todo o direito de voar, de fugir do caminhar rotineiro. Achava que a saudade havia sido curada com o tempo, mas num momento avassalador, fora tomada de um peso enorme, maior do que ela. Não tinha saudade do passado, tinha saudade do futuro, daquilo que nunca seria, e esta é a saudade que mais machuca. A saudade do passado parece tão bela e lírica quando passeia num fado cantado por uma voz afinada em alguma tasca de Lisboa, ou no Porto, ou qualquer recanto onde se serve um bom vinho português e assa-se o bacalhau. A saudade do que poderia ter sido, daquilo que ela achava que deveria ser, mas nunca foi e que nunca será, exatamente esta saudade que lhe invadira a alma naquela manhã.

Ela sabia a causa de tudo isto e aquilo lhe incomodava. Como poderia ainda sentir algo por ele depois de tantos meses, vinte e nove para ser exata, pensou sem se levantar da cama. Aquele sonho viera em péssima hora, adentrara seu sono tranquilo, um ladrão na calada da noite, e sua paz fora roubada. Não que a paz fosse profunda e sincera, mas ela se enganava achando que havia conquistado a paz de coração finalmente. E alguma vez o coração fica em paz?, perguntou-se. Virou para o lado e viu que o relógio marcava 7:45. Já estava atrasada, mas que importava, quem se importaria com seu atraso, com a ausência de seu sorriso, com a aparência de que tudo estava bem. Não conseguiu conter algumas lágrimas que desenharam um traçado retilíneo em sua pele macia e sedosa. Apesar dos anos, era uma mulher bonita, mas que se deixara aprisionar numa saudade futura.

2 comentários:

*** disse...

"E alguma vez o coração fica em paz?", me pergunto eu, diariamente.

Texto lindo, de inspiração inesperada. Muito bom vê-lo a escrever com mais frequência. Beijos, amigo querido. =)

Renato Bueloni Ferreira disse...


Inspirado em palavras e na admiração sincera pela amiga!